Dollhouse – 1×13: Epitaph One [Unaired Episode]

Sim, sou uma das pessoas que gostaram da notícia que Dollhouse voltaria com uma segunda temporada. Achei que o primeiro ano até que acabou bem com o episódio “Omega”, mas depois de assistir ao décimo terceiro episódio, minha opinião mudou.

Atenção: Spoilers Abaixo

Em um cenário pós-apocalíptico, somos apresentados a uma Los Angeles no ano de 2019. Sou uma grande fã de filmes de zumbis, então adorei o episódio desde o começo, com um dos sobreviventes dizendo que teve que matar a colega porque ela foi “impressa”. Desta vez não há um cientista louco e um vírus mortal, mas pessoas ambiciosas e arrogantes brincando com tecnologia avançada.

Para evitar que a tecnologia Wi-Fi roube-lhes o corpo, o grupo tem que andar pelos esgotos. Ao descer por um buraco, eles vão parar na Casa que habitamos a temporada inteira. A partir de então, Joss Whedon cria um ambiente típico de filmes de suspense e, enquanto o grupo tenta achar respostas, pessoas começam a ser mortas, e eles percebem que não estão sozinhos.

Eles acham a sala de controle e começam a entender como o mundo que conheciam chegou ao final ao dar memórias a um homem que estava com eles. A trama vai alternando entre o presente e o passado, com as memórias.

Essas memórias mostram o momento em que Topher chegou à Casa e começou a desenvolver uma tecnologia pré-existente. Mostram que, devido a imprudência do Sr. Ambrose, a tecnologia das Dolls passou por cima das leis humanas, e que com apenas um telefonema, a população de uma cidade inteira se transformaria em corpos vazios criados para matar (pelo menos quem atendesse o telefone). O mundo foi infectado por esse péssimo uso de tecnologia e cria quatro grupos de pessoas: os controladores, os carniceiros, os fantoches e os sobreviventes.

Echo desenvolveu um meio de manter sua personalidade mesmo quando uma nova era imprimida, e com a ajuda de Paul Ballard, os dois acham um lugar seguro, aonde a tecnologia não chega.

Durante o presente, três dos seis integrantes do grupo são mortos, deixando vivos a sentimental Mag (Felicia Day), o ríspido Zone e a criança que, embora não fosse tão bizarra quanto a de outra série, era a assassina.

Também é revelado quem é o habitante estranho: uma doll chamada Whiskey – sem cicatrizes no rosto (adoro a Amy Acker, e ela faz um ótimo trabalho nesse episódio). Ela ficou na Casa para ajudar futuros sobreviventes, e é isso que ela faz. Whiskey traz à tona as memórias que faltam e imprime a personalidade de Caroline na criança para que eles possam chegar a Safe Haven.

Achei muito bom o final. Música perfeita criada por Jed Whedon mostrando o gás tomando conta da Casa e os três chegando à superfície e testemunhando uma cidade completamente destruída. Durante a primeira temporada de Dollhouse houve a constante discussão se o que acontecia na Casa era correto, e na maioria das vezes, parecia que realmente dar às pessoas o que elas precisam era certo. No real último episódio é mostrado que tal afirmação não poderia estar mais errada.

De acordo com o site Dollverse, a próxima temporada começará no futuro com Mag, Zone e Caroline. Então a probabilidade da temporada seguir no futuro é grande. No entanto, é frustrante pensar que há a possibilidade da temporada ser construída com Echo tendo várias personalidades e tentando sair da Dollhouse.

Episódio fantástico. Quem não gostou da série deve pelo menos dar mais uma chance a Joss Whedon e assistir Epitaph One.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: