Happy Valentine’s Day

14/02/2010

Para comemorar o dia de São Valentin (Dia dos Namorados nos EUA e em outros países), juntei cinco episódios de séries que se passam durante tal data. Tem histórias para todos os gostos: bonitinha, engraçada ou dramática.

Vineyard Valentine – Gilmore Girls (6×15)

Lorelai, Luke, Rory e Logan viajam até Martha’s Vineyard para passar o fim de semana do dia dos namorados. Além do episódio acontecer fora de Stars Hollow, outra peculiaridade da trama é a ida dos quatro até uma academia de ginástica.

All In The Family – ER (6×14)

Em um dos episódios mais marcantes da série, esse dia dos namorados não foi nada bom para os que trabalhavam no hospital. Carter e Lucy são atacados por um paciente esquizofrênico e toda a equipe se mobiliza para tentar salvar a vida dos dois.

Bewitched, Bothered and Bewildered – Buffy (2×16)

Na época em que Buffy ainda tinha uma trama decente, tiradas inteligentes e episódios comemorativos legais, o dia dos namorados é lembrado com mais um feitiço que sai pela culatra. Depois que Cordelia termina com Xander, ele tenta recuperá-la por meio de magia.

St. Valentine’s Day – 30 Rock (3×11)

Acidentalmente, Liz marca seu primeiro encontro com Drew no dia dos namorados. A partir de então tudo começa a dar errado, como um incidente com a porta do banheiro e uma revelação familiar. Enquanto isso, Jack planeja um jantar romântico com Eliza, mas as coisas não ocorrem como o plano quando ele é obrigado a ir à igreja.

The One With Unagi – Friends (6×17)

E é claro que Friends não poderia ficar fora da lista. Chandler e Monica comemoram o dia dos namorados duas semanas mais tarde, e combinam de fazer seus próprios presentes (os quais não são feitos por nenhum dos dois). Na mesma trama, Ross quer ensinar a Rachel e Phoebe uma técnica japonesa chamada “Unagi”.

Anúncios

Séries para Leigos: Joss Whedon e a Dollhouse

21/01/2010

Antes que cientistas japoneses pensassem em criar o sangue sintético, e que Sookie, Bill e companhia tomassem conta do mundo vampiresco, Joss Whedon já havia feito sua fama com Buffy – A caça vampiros e Angel.

Parte do sucesso de suas criações se dá pela filosofia por trás de cada série. Buffy não era apenas uma garota loira que caçava vampiros, mas uma adolescente feminista que combatia analogias de um mundo real. Assim como Angel não era apenas um vampiro renegado matando sua própria raça, mas uma metáfora ambulante de redenção que andava na fina linha da ambigüidade moral e ética. Os tripulantes de Firefly também não ficam de fora, mostrando a vida de pessoas que estão do lado perdedor de uma guerra civil.

Depois de cinco anos afastado da televisão, Whedon junta novamente sua criatividade e filosofia e estréia a série Dollhouse. Agora a pergunta é: “E se houvesse uma tecnologia capaz de apagar apersonalidade de uma pessoa e trocá-la por outra?” No novo mundo de Whedon existe. A trama gira em torno da ativa Echo (ativos são pessoas que tem suas personalidades apagadas e são “reimprimidos” com novas personalidades para realizarem as mais diferentes missões), que conforme os episódios vão passando, é provado que há muito mais por trás daquela aparente boneca vazia.

Na série da caça-vampiros, existia o chamado “monstro da semana”. Isso envolvia um novo demônio a cada episódio, enquanto uma trama maior era desenvolvida em segundo plano. Em Dollhouse acontece a mesma coisa. A cada episódio, Echo recebe uma nova personalidade e missão, sempre desenvolvendo um arco maior no pano de fundo.

Joss Whedon adora o tema de ambigüidade e Dollhouse explora bastante esse assunto, debatendo sempre se é correto ou não dar às pessoas o que elas precisam usando os ativos.

Talvez por ser filho de dois grandes roteiristas se sitcoms, o criador da série sempre acha um jeito de colocar humor dentro da história, seja por personagens naturalmente mais cômicos ou por situações impostas.

Entre todas as similaridades com as séries passadas, a maior delas é a protagonista de Dollhouse: Eliza Dushku. Os fãs mais antigos de Whedon a conhecem como a caça vampiros Faith, quefez parte de Buffy a partir da terceira temporada da série (e participações especiais em Angel). Mas Dushku não é o único nome conhecido. Amy Acker (Fred, de Angel) faz parte do elenco secundário, Felicia Day (Vi, da última temporada de Buffy) participa do último episódio do seriado e Summer Glau (River Tam, de Firefly) que irá fazer uma participação na segunda temporada.

Quando Buffy estreiou, ela teve apenas 12 episódios, e Dollhouse não fica longe disso. A nova série possui uma primeira temporada de 13 episódios, com um final de temporada fantástico, lembrando o universo de Firefly.