Doctor Who Premiere

01/06/2011

Steven Moffat nos fez temer pessoas com máscaras de gás, ressuscitou nosso medo de criaturas escondidas em baixo da cama, fez com que fiquemos com os olhos bem abertos ao olhar uma estátua, ter certeza de sempre contar nossa sombra, olhar diferente para rachaduras na parede e, agora, ficar realmente preocupados ao esquecer algo. Se o final da 5ª temporada de Doctor Who foi brilhante, os dois primeiros episódios do 6º ano absolutamente fantásticos. Sem dúvida a melhor estreia desde 2005 e, até então, meu episódio favorito (ok, fica empatado com Blink). O retorno da família TARDIS trouxe tudo que precisávamos: comédia, drama, suspense, mistério e um roteiro muito bem elaborado. Moffat desenvolveu uma criatura ainda mais assustadora que os Weeping Angels, tanto por sua forma física quanto por suas habilidades.

Nada mais temeroso que perder suas memórias. O arco do Silêncio foi sendo construído durante a temporada passada, chegando ao seu clímax nos dois últimos episódios. E da mesma forma como foi bem estruturado, teve um final digno. Uma solução bem ao estilo Doctor (handled like a Time Lord!). No entanto, não acho que essa foi a última vez que ouvimos falar do Silêncio. Passamos agora para algumas aventuras independentes, deixando dúvidas como “por que a TARDIS não deu um diagnostico definitivo para Amy ?”, “a menina seria de Gallifrey?” e, claro, “quem é River Song?”. Estes questionamentos certamente estão em vigência no nosso cérebro (tenho minhas teorias, mas isso entra num próximo post). Doctor Who explicou mais um evento histórico e todo fã da série sempre irá pensar “silence will fall” quando ouvir alguém mencionar Neil Armstrong e a primeira viagem à Lua.

Anúncios

Preview: A 6ª Temporada de Doctor Who

03/05/2011

Finalmente chegou o dia! Estreia hoje simultaneamente na Inglaterra e nos EUA a 6ª temporada de Doctor Who! Eu, como fã suprema do “homem louco com uma caixa”, não poderia estar mais ansiosa. Amava Eccleston e Tennant na obra de Russell T. Davies, mas Steven Moffat adicionou algo mais que Matt Smith na fórmula. Ele adicionou conto de fada, romance e magia, em um doutor mais positivo e vigoroso. Mas isso não exclui todas as criaturas bizarras e as tramas que te deixam com um nó na garganta ao final do episódio. Depois de nos presentear com a (quase) perfeita 5ª temporada, Moffat nos fez sofrer por meses esperando o retorno da gangue em uma história que envolve a Casa Branca. A estreia em duas partes começa com Amy, Rory e o Doctor no deserto de Utah, e passa para o Salão Oval em 1969. Quem já viu os promos, sabe o que os aguarda e, aparentemente, poderemos esperar características de “Blink” nos episódios, com as consequências de olhar (ou não) para os aliens e com personagens deixando mensagens para si mesmos. Também teremos a participação do ator multifuncional Mark Sheppard, que já participou de inúmeras séries como Battlestar GalacticaSupernaturalWarehouse 13 e Medium.

Quanto ao resto da temporada, é de se esperar algo tão genial quanto. Ela será dividida em duas partes: a primeira com sete episódios, começando hoje, e a segunda com os episódios restantes na época da fall season. Moffat afirmou que construiu um clímax enorme, resultando em umcliffhanger de tirar o fôlego entre as duas partes de temporada. Ele ainda estimula: “Você verá a vida do Doutor mudar para sempre, você irá suspirar em espanto com a verdadeira natureza de seu relacionamento com Amy e você irá chorar de horror enquanto Rory Williams ficar à beira de um trágico erro”. O livro The Brilliant Book of Doctor Who 2011 ainda revela algumas pistas sobre outros eventos, seja o possível retorno de Atraxi, a polícia galáctica que estava atrás do Prisioneiro Zero no primeiro episódio da 5ª temporada; mais esclarecimentos sobre a explosão da TARDIS, também na 5ª temporada; ou a introdução de um novo (ou não) personagem de Gallifrey. E, como não poderia faltar, teremos muito mais de River Song, que retorna junto com o 6º ano. Ela teve sua primeira participação no fantástico episódio duplo “Silence in the Library” e “Forest of the Dead”, da 4ª temporada. Na minha opinião, River é tão fascinante quanto o próprio Doctor. De qualquer maneira, a 6ª temporada promete. Então se prepare, porque aqui começa uma nova aventura absolutamente brilhante.

Texto também disponível no site LiGado em Série


Séries para Leigos: Miranda

28/09/2010

Durante uma das minhas visitas ao fantástico mundo do Tumblr, um usuário afirmou ter encontrado uma série que personificava essa ferramenta. Como eu acho a linguagem e o ritmo de tal esfera muito interessante e divertido, fui rapidamente me atualizar. É necessário poucos minutos para se apaixonar pela sitcom britânica Miranda. Com o visual retrô inspirado nos anos 70 e um roteiro hilário, o seriado é escrito e protagonizado pela comediante Miranda Hart. Ela interpreta uma mulher de 1,85 m de altura com 34 anos, a qual acha situações sociais desagradáveis e é um constante desapontamento para sua mãe por não ser casada. Ela é dona de uma loja de brincadeiras e quem a gerência é sua melhor amiga, Stevie. Miranda sempre foi apaixonada por Gary e quando este vira chef de um restaurante perto de sua loja, ela vê a oportunidade perfeita para tentar algo além da amizade. No entanto, por não possuir muitas habilidades sociais, isso se torna um tanto difícil.

Antes de se tornar série de TV, a trama fazia parte de um programa de rádio, chamado Miranda Hart’s Joke Shop. Em 2009, a história foi adaptada para o formato de televisão, e começou a ser exibida pelo canal BBC Two. Miranda já possui duas temporadas e a terceira será exibida pelo BBC One (provavelmente em 2012). O seriado atingiu grandes números de audiência na Inglaterra, fazendo com que Hart ganhasse prêmios em eventos como o British Comedy Awards e fosse indicada em várias categorias do BAFTA. Neste ano, a série participou do evento Comic Relief, em que se arrecada fundos para caridade (Doctor Who participa com quadros todos os anos). Uma das melhores características da série é que Miranda constantemente fala com a câmera, trazendo o telespectador para dentro da história e tornando-o testemunha e cúmplice de suas aventuras. Todo o episódio começa com um monólogo da atriz, que então diz “anteriormente na minha vida…”, e nos apresenta situações inéditas. Miranda não é uma comédia inteligente, mas com certeza é engraçada. Nada melhor para assistir depois daquele dia estressante. Veja um teaser da série.


Séries para Leigos: The IT Crowd

24/06/2010

Antes de Sheldon e Leonard dominarem o mundo geek, Roy já usava camisetas de super-heróis nas Indústrias Reynholm.

The IT Crowd é uma série britânica criada em 2006. Ela conta a história dos três membros do departamento IT (Information Technology): a nova gerente Jen Barber, a qual convenceu seu chefe que possui muitas habilidades com computadores (como deletar e-mails, enviar e-mails, escrever e-mails e assim por diante); e os técnicos Roy e Moss, que são descritos como “standard nerds” (algo como nerds de padrão). Considerando que a maioria dos problemas da empresa podem ser resolvidos apenas com um reset nos computadores, os três possuem bastante tempo para se meterem em situações inesperadas e engraçadas.

O seriado já possui três temporadas (com seis episódios cada), e o quarto ano estreia nessa mid-season. A maioria das histórias se passa no porão do edifício, onde fica a sede do IT. Uma curiosidade é que na terceira temporada, Graham Linehan (diretor da série) pediu para os fãs doações de itens que poderiam ser usados na decoração do espaço. Muitas doações foram feitas, e é possível notar a diferença da quantidade de acessórios referentes aos anos anteriores. O museu de computação da Inglaterra também doou vários computadores antigos, que podem ser vistos nos episódios.

Como o programa fez sucesso em sua terra natal, vencendo premiações no BAFTA e no Emmy International, os Estados Unidos e a Alemanha resolveram fazer suas versões. A alemã foi cancelada após o segundo episódio, enquanto a americana (que seria exibida pelo canal NBC) não saiu do papel. O ator Joel McHale reprisaria seu papel como Moss na versão americana.

A comparação entre The IT CrowdThe Big Bang Theory pode ser feita por seguir uma idéia básica similar. No entanto, o tipo de humor é diferente. A série britânica não possui tantas referências culturais quanto TBBT, e também é mais fácil dar risada com ela. Não é necessário saber muito do mundo geek para se divertir com as tramas.

A quarta temporada estreia na programação inglesa essa semana, mas o Channel 4 já o disponibilizou na internet.