BBC HD chega na TV a cabo

18/06/2012

O Serial Cookies foi convidado para o evento de lançamento do canal BBC HD em São Paulo na semana passada. A apresentação contou com a presidente da BBC Worldwide Jana Bennett e o produtor executivo Tim Scoones, além do diretor de programação da Net Serviços, Fernando Magalhães. O objetivo do encontro era divulgar os programas que fazem parte da primeira grade de atrações do canal e falar sobre o que o público pode esperar nos próximos meses.

Fernando explica que o propósito de trazer a BBC para a Net é diversificar a programação, uma vez que o canal não é focado em notícias, mas entretenimento em geral. Ele então passa a palavra para Jana, que se mostra animada com a parceria tanto no nível profissional quanto em sua vida privada, já que sua filha mora aqui e ela está sempre viajando para o país. Ela é responsável pela programação do mundo todo, e foi logo dizendo que gostaria de fazer uma grade especial para o Brasil. A presidente afirma que o lançamento do canal representa uma progressão nacional para a Inglaterra, que pretende manter uma ótima relação com o Brasil. Nosso país tem sido um dos maiores mercados de televisão em crescimento, e está chamando atenção ao ser o anfitrião da Copa de 2014 e das Olimpíadas de 2016 (ela brinca que a relação entre os dois países é concretizada com a tocha olímpica sendo passada para nós).

Na Inglaterra, a BBC possuí vários canais, com diferentes público-alvos. Como no Brasil só será lançado um, eles farão o máximo para conseguir alcançar a maior parte da audiência possível, com documentários, reality shows, dramas, programação infantil e musical e eventos mundiais. Para ajudar a melhorar esse resultado, o canal será o primeiro a oferecer o serviço on demand, com uma grande seleção de entretenimento para assistir a qualquer hora (desde programas do canal infantil CBeebies até séries adultas como Sherlock e Wallander). O serviço será disponibilizado em Junho, e trará alguns acontecimentos com exibições sincronizadas.

A estreia do canal também coincide com o chamado London Calling, uma temporada de eventos celebrando as pessoas, o estilo de vida, a cultura, a música e a história de Londres. Esses programas serão uma das maiores atrações da BBC nesse começo. Outro programa que os executivos estão orgulhosos por divulgar no Brasil é o Planet Earth Live, um documentário/reality show pioneiro quando se trata em fazer televisão.

Tim Scoones também é produtor do Planet Earth Live, e aproveitou a oportunidade para falar um pouco da grandiosidade do projeto. Ele afirma que a BBC sempre esteve na frente quando o assunto é documentários. Juntando 50 anos de experiência em produções como essa, mais uma equipe enorme com os melhores diretores, editores e cientistas e ainda aproveitando todos os benefícios que a revolução digital trouxe, o estúdio conseguiu lançar um seriado que mostra em tempo real a vida de animais escolhidos a dedo passando por momentos marcantes. Tim afirma que a escolha do mês de Maio de 2012 foi essencial, pois é nesse período que grandes eventos do mundo natural acontecem, como mudanças climáticas e migrações. O objetivo é mostrar como esses animais específicos, que ganharam até nomes individuais, são afetados por essas influências. O programa é o reality show mais literal que existe, fazendo com que a natureza escreva o roteiro da história. Como personagens, temos leões e elefantes no Quênia, macacos na Sri Lanka, baleias no oceano pacífico, ursos pretos nos EUA e suricatos esperando pelo inverno no Deserto do Kalahari.

Tanto Tim quanto Jana foram muito receptivos, e não deixaram assuntos pendentes em suas apresentações. As dúvidas que surgiram pela imprensa foram em sua maior parte querendo saber se séries como Doctor Who seriam exibidas pelo canal, e a resposta foi que eles irão construir melhor a programação conforme o feedback e interesse do público. Outra pergunta foi por que Sherlock começou a ser exibida na segunda temporada, e Jana afirmou que foi para acompanhar melhor a programação britânica, mas que a série será reprisada a partir do primeiro episódio. A BBC HD chega no Brasil com grandes expectativas, e promete muitas atrações. Embora a grade ainda não tenha tantas variedades, vale a pena conferir a programação do canal.

Anúncios

Séries para Leigos: Sherlock

17/02/2012

Todos gostam de um bom enigma. Quando crianças, somos confrontados com aqueles quebra cabeças de doze peças que demoravam para se tornarem cansativos. A partir de então, escolhemos ficar horas tentando finalizar um jogo de palavra cruzada ou Sudoku. Passamos a mesma quantidade de tempo assistindo filmes ou séries de mistério ou lendo um livro com o mesmo tema. A razão para fazermos isso pode variar, seja por gostar de seguir um caminho lógico que o leva a respostas absolutas e definitivas, por apreciar o desafio ou simplesmente para se sentir superior aos outros. Não importa a razão, o fato é que diariamente somos submetidos a algum tipo de enigma; e nós gostamos. No entanto, as histórias de Sherlock Holmes dão ainda mais um estímulo ao seu público: a competição. Estamos tratando de um dos homens mais inteligentes da história fictícia e conseguir acompanhar seu raciocínio na tentativa de obter respostas antes do protagonista é um exercício viciante. Juntando toda essa premissa com uma qualidade altíssima de roteiro, é impossível resistir a uma série como Sherlock, da BBC inglesa.

A série foi criada por Steven Moffat e Mark Gatiss, dois roteristas de Doctor Who, enquanto faziam suas viagens de trem até Cardiff para a produção do programa. Como grandes fãs das histórias de  Sir Arthur Conan Doyle, eles imaginaram como seria se o personagem vitoriano vivesse no mundo moderno, tendo toda a tecnologia atual ao seu alcance – e adesivos de nicotina no lugar do tradicional cachimbo. Não precisa nem dizer que a série é um total sucesso. Baseando-se nas tramas originais e misturando sua própria criatividade, Moffat, Gatiss e Steve Thompson (mais um roterista de Doctor Who) realizaram duas temporadas e já garantiram uma terceira, que somente deve estrear em 2013. Cada temporada possui três episódios de 1h30 de duração. Pode parecer muito longo, mas o ritmo e a agilidade de como a história é retratada faz com que o público não fique entediado. O que também contribui para que os episódios não fiquem chatos é a identificação do telespectador com os personagens, que resolvem os casos com bastante uso da internet e mensagens de texto. Sem contar que Watson agora é blogueiro. Mesmo com toda a modernidade instalada, alguns elementos como o chapéu característico de Sherlock e o número 221B gravado na porta da residência foram mantidos, não cortando totalmente o padrão canônico dos textos originais e dando o equilíbrio necessário para o drama funcionar.

Durante a primeira temporada, fomos apresentados aos personagens principais, nos acostumando com os seus relacionamentos. Também conhecemos Moriarty, o arqui-inimigo de Sherlock, que construiu o arco principal da trama. Nessa segunda temporada, tivemos um começo fantástico com a entrada da personagem de Irene Adler (interpretada por Laura Pulver, que fez a fada madrinha de Sookie em True Blood). Passando pelos cães de Baskerville e a participação de Russell Tovey (Being HumanHim & HerDoctor Who), chegamos ao grande season finale, com conto de fadas, ideias plantadas estilo Inception e a participação de Katherine Parkinson (The IT Crowd). A trama foi baseada no conto “The Final Problem”, no qual Doyle decidiu mostrar o confronto de Sherlock e Moriarty e matar ambos. Olhando para as temporadas, fica claro que a série só poderia ter sido escrita pelos roteristas de Doctor Who, uma vez que os personagens são basicamente os mesmos. Temos o gênio capaz de resolver qualquer enigma e sair de qualquer problema (Sherlock/Doctor); o fiel companheiro, que embora não seja tão inteligente, é indispensável para a resolução dos problemas (Watson/Companions); o arqui-inimigo louco tão esperto quanto o protagonista (Moriarty/The Master); e o interesse amoroso também genial que gera cenas de tensão e trapaça (Irene Adler/River Song).

 Em 2007, Moffat escreveu uma série de seis episódios relatando a história de O Médico e o Monstro chamada Jekyll. Apropriando-se de muito humor negro, o programa transformou um ótimo livro em algo tão bom quanto. O escritor está repetindo a dose em Sherlock em nível avançado. Com a falta de criatividade moderna, o remake de filmes e a roteirização de livros rotineiramente retalha os grandes clássicos. Mas quando uma adaptação é tão bem feita quantoSherlock, ela deve ser colocada como referência. Com as brilhantes atuações, roteiro exemplar e consistente, essa é já é uma série obrigatória para quem gosta de séries de TV.