Zooey Deschanel em Nova Comédia da FOX

01/06/2011

Após estrelar vários filmes (como 500 Dias com Ela e Sim Senhor) e fazer algumas participações nas séries Bones e Weeds, Zooey Deschanel irá protagonizar a nova comédia da FOX, New Girl. Ela será Jess, uma professora positiva e honesta, que acaba por dividir um apartamento com três homens após ser traída por seu namorado. Acostumada com companhias femininas, ela conhecerá um novo ponto de vista ao se relacionar com o sexo oposto. Criada por Liz Meriwether (do filme Sexo Sem Compromisso), a série também conta com a participação de Max Greenfield (Ugly Betty, Veronica Mars) e Hannah Simone (Beautiful People). New Girl está prevista para a fall season e será exibida às terças logo após Glee. Clique AQUI para assistir o trailer.

Anúncios

Estreias de Fevereiro

22/01/2010

Em fevereiro, várias séries chegam à programação brasileira. Confira quais são e suas sinopses (para assistir ao trailer, clique no nome do seriado):

Dark Blue (Space – 1 de fevereiro)

Em missões secretas, um grupo de policiais infiltrado no submundo de Los Angeles deverá agir como criminosos.

Série de Jerry Bruckheimer, responsável por Cold Case, Without a Trace e a franquia CSI.


Castle (AXN – 2 de fevereiro)

Após ajudar a polícia de Nova Iorque a resolver um caso, o autor de best-sellers Richard Castle (Nathan Fillion – Firefly) resolve usar a detetive Kate Beckett como inspiração para seu próximo livro. Ele então começa a acompanhar Beckett em todas as investigações.

.

.

Cougar Town (Sony – 4 de fevereiro)

Novo sitcom de Courteney Cox Arquette (Friends). Cansada de ficar sozinha, Jules Cobb (mãe divorciada, 40 anos) resolve agir como os homens de sua idade e começar a namorar jovens garotos.

.

.

.

Accidentally on Purpose (Sony – 4 de fevereiro)

Depois de conhecer Zack em um bar e passar a noite juntos, Billie (Jenna Elfman – Dharma & Greg) descobre que está grávida. Além de se acostumar com a sua nova situação, ela terá que lidar com o seu antigo namorado e chefe, James.

.

.

.

Community (Sony – 4 de fevereiro)

Jeff Winger  volta para a faculdade quando sua licença para praticar advocacia é suspensa por seu diploma ser considerado inválido. A série trata do seu dia a dia e de seu relacionamento com as pessoas da faculdade.

.

.

.

Nurse Jackie (Studio Universal – 7 de fevereiro)

Assim como as outras séries da Showtime, Nurse Jackie é polêmica, controversa e moralmente dúbia. Jackie (Edie Falco – Os Sopranos) é uma enfermeira que enfrenta seus problemas com sarcasmo e abuso de substâncias.

.

.

.

United States of Tara (Fox – 8 de fevereiro)

Série criada por Diablo Cody (Juno), retrata a vida de uma mulher com transtorno dissociativo de identidade. Tara (Toni Collette – Pequena Miss Sunshine)  e sua família são obrigados a lidar com T, Alice e Buck (outras personalidades de Tara) quando ela resolve parar de tomar seus remédios.

.

.

Royal Pains (Sony – 21 de fevereiro)

Por  ser culpado pela morte de uma paciente, o Dr. Hank Lawson acaba se mudando para os Hamptons e virando médico dos ricos e famosos.

.

.

.

.

FlashForward (AXN – 23 de fevereiro)

Durante 2 minutos e 17 segundos todas as pessoas do mundo desmaiaram. Todas viram flashs de suas vidas dentro de seis meses (aqueles que não morreram nos acidentes causados pelo desmaio). O agente Mark Benford tenta resolver os mistérios que envolvem tal evento.


Dollhouse – 1×13: Epitaph One [Unaired Episode]

20/01/2010

Sim, sou uma das pessoas que gostaram da notícia que Dollhouse voltaria com uma segunda temporada. Achei que o primeiro ano até que acabou bem com o episódio “Omega”, mas depois de assistir ao décimo terceiro episódio, minha opinião mudou.

Atenção: Spoilers Abaixo

Em um cenário pós-apocalíptico, somos apresentados a uma Los Angeles no ano de 2019. Sou uma grande fã de filmes de zumbis, então adorei o episódio desde o começo, com um dos sobreviventes dizendo que teve que matar a colega porque ela foi “impressa”. Desta vez não há um cientista louco e um vírus mortal, mas pessoas ambiciosas e arrogantes brincando com tecnologia avançada.

Para evitar que a tecnologia Wi-Fi roube-lhes o corpo, o grupo tem que andar pelos esgotos. Ao descer por um buraco, eles vão parar na Casa que habitamos a temporada inteira. A partir de então, Joss Whedon cria um ambiente típico de filmes de suspense e, enquanto o grupo tenta achar respostas, pessoas começam a ser mortas, e eles percebem que não estão sozinhos.

Eles acham a sala de controle e começam a entender como o mundo que conheciam chegou ao final ao dar memórias a um homem que estava com eles. A trama vai alternando entre o presente e o passado, com as memórias.

Essas memórias mostram o momento em que Topher chegou à Casa e começou a desenvolver uma tecnologia pré-existente. Mostram que, devido a imprudência do Sr. Ambrose, a tecnologia das Dolls passou por cima das leis humanas, e que com apenas um telefonema, a população de uma cidade inteira se transformaria em corpos vazios criados para matar (pelo menos quem atendesse o telefone). O mundo foi infectado por esse péssimo uso de tecnologia e cria quatro grupos de pessoas: os controladores, os carniceiros, os fantoches e os sobreviventes.

Echo desenvolveu um meio de manter sua personalidade mesmo quando uma nova era imprimida, e com a ajuda de Paul Ballard, os dois acham um lugar seguro, aonde a tecnologia não chega.

Durante o presente, três dos seis integrantes do grupo são mortos, deixando vivos a sentimental Mag (Felicia Day), o ríspido Zone e a criança que, embora não fosse tão bizarra quanto a de outra série, era a assassina.

Também é revelado quem é o habitante estranho: uma doll chamada Whiskey – sem cicatrizes no rosto (adoro a Amy Acker, e ela faz um ótimo trabalho nesse episódio). Ela ficou na Casa para ajudar futuros sobreviventes, e é isso que ela faz. Whiskey traz à tona as memórias que faltam e imprime a personalidade de Caroline na criança para que eles possam chegar a Safe Haven.

Achei muito bom o final. Música perfeita criada por Jed Whedon mostrando o gás tomando conta da Casa e os três chegando à superfície e testemunhando uma cidade completamente destruída. Durante a primeira temporada de Dollhouse houve a constante discussão se o que acontecia na Casa era correto, e na maioria das vezes, parecia que realmente dar às pessoas o que elas precisam era certo. No real último episódio é mostrado que tal afirmação não poderia estar mais errada.

De acordo com o site Dollverse, a próxima temporada começará no futuro com Mag, Zone e Caroline. Então a probabilidade da temporada seguir no futuro é grande. No entanto, é frustrante pensar que há a possibilidade da temporada ser construída com Echo tendo várias personalidades e tentando sair da Dollhouse.

Episódio fantástico. Quem não gostou da série deve pelo menos dar mais uma chance a Joss Whedon e assistir Epitaph One.


Séries para Leigos: Fringe

20/01/2010

Tudo começa com um acidente aéreo bizarro. O FBI é chamado quando um avião pousa em Boston e seus passageiros não estão apenas mortos, mas derretidos.

Os agentes John Scott e Olivia Dunham estavam investigando o caso, porém quando John é atingido pelo composto sintético que matou as pessoas do avião, Olivia trabalha com as duas únicas pessoas que podem ajudá-la a salvar seu parceiro: Walter e Peter Bishop.

É assim que os três entram para a Fringe Division, divisão do FBI que investiga e soluciona casos estranhos, relacionados com “o padrão”.

O padrão

Em torno de um ano, fatos incomuns, como pessoas desaparecendo e reaparecendo anos depois sem mudar nada, começaram a acontecer ao redor do mundo. Esses acontecimentos são chamados de “O padrão”; é como se alguém estivesse fazendo experiências e usando o planeta como seu laboratório pessoal.

As personagens

Olivia Dunham – Agente do FBI que lidera os casos peculiares da Fringe Division.

Walter Bishop – Durante a década de 70, dividiu um laboratório com William Bell, fazendo experimentos científicos inovadores para o governo. Após um incêndio no laboratório, Walter foi condenado a uma instituição psiquiátrica, na qual ficou trancado durante 17 anos.

Peter Bishop – Filho de Walter, Peter foi contatado por Olivia para que ela pudesse ter acesso ao seu pai no manicômio. Ajuda Walter com os experimentos e “traduz” a linguagem científica falada por ele para uma linguagem que os seres humanos normais possam entender.

Astrid Farnsworth – Agente do FBI assistente de Olivia. Auxilia Walter no laboratório.

Nina Sharp – Vice-presidente da Massive Dynamic. Enquanto William Bell está “fora do país”, ela auxilia nas investigações de Olivia quando requisitada. Possui grande conhecimento sobre o padrão.

Phillip Broyles – Dirige a Finge Division. Divide segredos com Nina e também sabe mais sobre o padrão do que revela.

Charlie Francis – Agente do FBI que auxilia Olivia nas investigações.

William Bell – Enquanto Walter foi para um manicômio, William fundou a multibilionária empresa Massive Dynamic,.

O Observador

Em todos os eventos relacionados com o padrão, o observador está sempre presente, vigiando o local (ele aparece em todos os episódios). Ainda não se sabe o porquê de sua presença, de onde vêm e qual o seu objetivo.

Em duas diferentes ocasiões, o observador já entrou em contato com Walter, revelando que os dois já dividem uma história mais antiga.

É provável que existam outros observadores, como se fosse uma “raça”.

ZFT

Acontecimentos do padrão que pareciam casos isolados começam a fazer sentido quando se descobre a existência de uma célula bioterrorista chamada ZFT. Ela trafica progressos científicos, como o incidente do avião.

Mais tarde é revelado que ZFT é o nome de um manuscrito que, em alemão, significa “Destruição pelo Avanço da Tecnologia”. O grupo segue o texto como um tipo de bíblia, o qual fala sobre a destruição de outras realidades e sobre o recrutamento de soldados para a grande guerra.

O manuscrito foi redigido pela máquina de escrever de Walter, sugerindo que William Bell poderia tê-lo escrito, ou talvez, até o próprio Walter.

Astro, Asteroid, Asterisk, Aspirin

Walter Bishop é sem dúvida um gênio, principalmente da ciência do impossível. No entanto, é incapaz de dizer corretamente o nome de Astrid ou lembrar-se de certas memórias. Isso aparentemente foi causado pelos anos que Walter ficou no hospício.

Ao decorrer dos episódios, Walter relembra de mais fatos e fica claro que ele pode não ser tão inocente quanto aos acontecimentos do padrão e da própria ZFT.

Easter Eggs

O telespectador atento percebe que sempre há uma pista em um episódio sobre o próximo. Elas podem ser visíveis, como a do episódio 15 (Inner Child), na qual uma personagem tem uma tatuagem de uma quimera (criatura mítica formada pela mistura de outros três animais), o que remete ao episódio seguinte, no qual há um monstro com tal característica. A pista também pode estar bem escondida, como um desenho pintado em um toldo ou uma palavra em uma placa do metrô.

Outros elementos também são escondidos nos episódios, como a bebida fictícia Slusho, uma passagem da Oceanic Air e o famoso número 47. J.J. Abrams tem certa fixação por esse número, usando-o várias vezes em outras de suas séries. Com Fringe não poderia ser diferente; o 47 está sempre presente, seja no número de um ônibus, o andar de um prédio ou o horário de um relógio.

O final

No final da primeira temporada, temos algumas respostas, como o objetivo do grande vilão David Robert Jones. Mas se tratando de uma série de J.J. Abrams, terminamos o último episódio surpresos e com muitas outras dúvidas.