Doctor Who: Quem é River Song?

17/09/2011

[Esse texto foi publicado originalmente no dia 11/05/2011, logo após a exibição do segundo episódio da sexta temporada, no site LiGado em Série.]

Ela aparece sem aviso algum. Sabe o nome real do Doctor, consegue pilotar a TARDIS melhor que ele mesmo e possui um diário com todo o futuro dele.River Song – a personagem mais complexa e enigmática do universo Who. Desde que ela apareceu na 4ª temporada, todos se perguntam quem é essa mulher que discute, argumenta e age em um nível similar do Doctor. Durante a 5ª temporada, a questão foi ficando ainda maior, pois mais fatos de sua vida foram revelados. Finalmente chegamos na 6ª temporada, em que Steven Moffat promete mostrar a verdadeira identidade de River. Mas se você gosta de especular, há uma teoria que bate muito bem com os fatos mostrados durante os oito episódios que a Dra. Song aparece. Seria ela a futura Amy Pond? Seria uma próxima regeneração do próprio Doctor? Ou seria uma personagem recém apresentada?

Primeiramente, vamos falar sobre a linha do tempo de River. Já ficou bem claro que River e o Doctor viajam em direções opostas – enquanto ela o conhece mais, ele a conhece menos e vice-versa. Analisando os episódios passados, é possível criar a timeline do ponto de vista de River. No entanto, devemos levar em conta que ela é uma viajante do tempo, então é difícil colocar em uma linha reta o que deve ser uma coisa wibbly wobbly timey wimey. De qualque forma, é preciso entender que, como estamos vendo os eventos do ponto de vista do Doctor, toda vez que vemos River ela é uma versão diferente da personagem.  A versão mais velha é a da Biblioteca, quando a primeiro conhecemos. A versão mais nova é a da aventura nos EUA, que vimos nos episódios de estreia do 6º ano. Segue um simples gráfico para tornar a idéia mais clara:

É evidente que a Biblioteca é o último lugar onde River vai, pois trata de sua morte. Nesse episódio, ela cita os eventos da Queda de Bizâncio, o Piquenique em Asgard (o qual aconteceria mais cedo para o Doctor) e a noite em Dorillian, que teria acontecido logo antes dela ir à Biblioteca. Na segunda vez que a vemos, estamos em Alfava Metraxis, quando a nave contendo um Weeping Angel cai no Bizâncio. River cita Bone Medows, um evento localizado no começo de seu diário. Ao final do episódio, ela revela que eles se encontrarão novamente quando a Pandórica abrir, deixando claro que este evento é posterior ao vivenciado no final da temporada. É possivel colocar os EUA antes de Pandórica pelo fato de que ela ainda está na prisão e pelo que é dito após o beijo. Enquanto aquele é o primeiro beijo para o Doctor, é o último para ela, pois a partir de então ele a conhecerá cada vez menos (eles não se beijam no Bizâncio, na Pandórica ou na Biblioteca). Dorillian demonstra o fator timey wimey citado anteriormente. Teoricamente, por ser o último evento de River antes da Biblioteca, ela deveria ter encontrado um Doctor novo, que quase não a reconhecesse. Mesmo assim, ela descreve uma noite íntima, na qual qual ele a presenteia com a chave sônica do futuro e derrama lágrimas por saber de sua morte. Se olharmos para a linha do tempo de trás para frente, temos a ordem que nós e o Doctor estamos encontrando River Song. Quando entendemos isso, a cena da Biblioteca em que o Doctor diz que não a conhece faz muito mais sentido, e fica extremamente mais triste. Principalmente quando juntamos esse conhecimento como a fala de River no episódio 6×01: “Fico ansiosa por nossos encontros, mas sei que toda vez que isso ocorre, ele estará um pouco mais distante. E o dia está chegando em que aquele homem me olhará, meu Doctor, e ele não terá a mínima ideia de quem eu sou. E eu acho que isso vai me matar”. Uma trágica história de amor.

Agora que já entedemos como funciona a linha do tempo de River, vamos para a parte mais importante: sua identidade. Teorias como “River Song é Amy Pond” e “River Song é o Doctor” podem ser facilmente descartadas por vários motivos, mas a principal razão é porque interagir com o passado pode abrir um buraco no universo (sem contar que seria errado em vários níveis o Doctor beijar a si mesmo). Então o que é viável? Para mim e todos que acreditam nessa teoria, a resposta foi dada no início dessa temporada. River Song seria a filha de Amy, a qual é a garotinha que fugia do Astronauta e que se regenerou ao final do episódio. Pense bem, quando Amy tivesse seu bebê, o Doctor estaria ao seu lado. Por algum motivo, ele descobriria que a menina é River,  e esse é um assunto que ele conhece bem. A razão pela qual River se apaixona pelo Doctor é porque ele sabe tudo sobre ela, assim como o Doctor a ama por ter um conhecimento mais avançado que o seu. Eles estão presos em um ciclo vicioso temporal, pois River só possui esse conhecimento devido ao tempo que passou com o Doctor, e o Doctor só sabe da vida de River devido ao tempo que ela passou com ele – um instiga o outro. Viagem no tempo, um tópico absolutamente fascinante.

Mas voltando à teoria. Ao final do episódio Day of The Moon, Amy diz que estava preocupada que seu bebê sofresse de algum efeito causado pelo tempo que ela passou na TARDIS. Sua filha pode não ter uma “cabeça temporal”, mas poderia muito bem adquirir a habilidade de se regenerar. No mesmo episódio, a TARDIS não consegue identificar com certeza se Amy está grávida ou não. Isso me parece o resultado de duas realidades se sobrepondo (em uma Amy está grávida, na outra não), o que poderia ter sido causado pelo Silêncio. Esse efeito poderia ser a causa do mal estar de Amy e River após o encontro com a criatura (Amy estaria se sentindo mal por “perder” o bebê, consequentemente apagando a existência de River). A mulher com o tapa olho que Amy viu no 6×01 e 6×03 também poderia ser dessa suposta realidade alternativa, na qual ela não estaria grávida. Mas isso não é o que me preocupa. Presumindo que River é a filha de Amy, assim como a garotinha, por que ela está sozinha em 1969? Onde está o Doctor, Amy e Rory? Um outro fato que acho bem interessante é que, considerando a morte do Doctor legítima  em The Impossible Astronaut, isso significa que River passa o resto da sua vida sabendo como ele irá morrer, e o Doctor também sabe todo o tempo como é o fim de River na Biblioteca. Uma situação poética e triste, como grande parte da escrita de Steven Moffat.

O que vocês acham da teoria? Faz sentido ou vocês tem uma visão diferente? Poderíamos esperar a temporada responder quem é River Song, mas qual seria a graça disso?


Preview: A 6ª Temporada de Doctor Who

03/05/2011

Finalmente chegou o dia! Estreia hoje simultaneamente na Inglaterra e nos EUA a 6ª temporada de Doctor Who! Eu, como fã suprema do “homem louco com uma caixa”, não poderia estar mais ansiosa. Amava Eccleston e Tennant na obra de Russell T. Davies, mas Steven Moffat adicionou algo mais que Matt Smith na fórmula. Ele adicionou conto de fada, romance e magia, em um doutor mais positivo e vigoroso. Mas isso não exclui todas as criaturas bizarras e as tramas que te deixam com um nó na garganta ao final do episódio. Depois de nos presentear com a (quase) perfeita 5ª temporada, Moffat nos fez sofrer por meses esperando o retorno da gangue em uma história que envolve a Casa Branca. A estreia em duas partes começa com Amy, Rory e o Doctor no deserto de Utah, e passa para o Salão Oval em 1969. Quem já viu os promos, sabe o que os aguarda e, aparentemente, poderemos esperar características de “Blink” nos episódios, com as consequências de olhar (ou não) para os aliens e com personagens deixando mensagens para si mesmos. Também teremos a participação do ator multifuncional Mark Sheppard, que já participou de inúmeras séries como Battlestar GalacticaSupernaturalWarehouse 13 e Medium.

Quanto ao resto da temporada, é de se esperar algo tão genial quanto. Ela será dividida em duas partes: a primeira com sete episódios, começando hoje, e a segunda com os episódios restantes na época da fall season. Moffat afirmou que construiu um clímax enorme, resultando em umcliffhanger de tirar o fôlego entre as duas partes de temporada. Ele ainda estimula: “Você verá a vida do Doutor mudar para sempre, você irá suspirar em espanto com a verdadeira natureza de seu relacionamento com Amy e você irá chorar de horror enquanto Rory Williams ficar à beira de um trágico erro”. O livro The Brilliant Book of Doctor Who 2011 ainda revela algumas pistas sobre outros eventos, seja o possível retorno de Atraxi, a polícia galáctica que estava atrás do Prisioneiro Zero no primeiro episódio da 5ª temporada; mais esclarecimentos sobre a explosão da TARDIS, também na 5ª temporada; ou a introdução de um novo (ou não) personagem de Gallifrey. E, como não poderia faltar, teremos muito mais de River Song, que retorna junto com o 6º ano. Ela teve sua primeira participação no fantástico episódio duplo “Silence in the Library” e “Forest of the Dead”, da 4ª temporada. Na minha opinião, River é tão fascinante quanto o próprio Doctor. De qualquer maneira, a 6ª temporada promete. Então se prepare, porque aqui começa uma nova aventura absolutamente brilhante.

Texto também disponível no site LiGado em Série


Abertura de Doctor Who durante as décadas

19/07/2010

É possível encontrar no You Tube vídeos de aberturas de “tal seriado” se fosse em “tal época” feito por fãs, como Lost nos anos 60 ou Firefly nos anos 80. No entanto, Doctor Who é uma das únicas séries que possui um registro oficial de aberturas durante quase cinco décadas, constatando no recorde do Guinness como programa de ficção científica mais longo e mais bem sucedido.

Para o pessoal que não conhece muito sobre a história do Doutor, o seriado foi criado em 1963 e completou 26 temporadas até 1989. Em 1996, foi lançado um filme para a televisão e, finalmente em 2005, a BBC relançou a série que continua no ar até hoje.  Atualmente, temos 31 temporadas passando por 11 Doctors diferentes, sendo David Tennant (2006-2009) o mais popular.

O interessante é observar a evolução dos protagonistas durante os anos, retratando a ideologia de cada época. Confira as aberturas desde 1963 até 2010, com um vídeo no final retratando os 11 Doutores.

1963 – 1º Doctor – William Hartnell

1967 – 2º Doctor – Patrick Troughton

1970 – 3º Doctor – Jon Pertwee

1974 – 4º Doctor – Tom Baker

1982 – 5º Doctor – Peter Davison

1984 – 6º Doctor – Colin Baker

1987 – 7º Doctor – Sylvester McCoy

1996 – 8º Doctor – Paul McGann (Telefilme)

2005 – 9º Doctor – Christopher Eccleston

2006 – 10º Doctor – David Tennant

2010 – 11º Doctor – Matt Smith

11 Doctors – Tributo