Grimm, o Lado Sombrio dos Contos de Fada

16/12/2011

Jacob e Wilhem Grimm foram dois acadêmicos alemães que fizeram sucesso no século XIX. Entre outros projetos, os irmãos Grimm publicaram vários contos de folclore que coletaram durante anos conversando com, na maioria, aristocratas que repassavam histórias contadas por seus servos. Foi assim que nasceu a Branca de Neve, Rapulzel, Rumpelstilskin, João e Maria e muitos outros contos. Embora os livros fossem bem recebidos, haviam críticas que alguns dos textos seriam muito pesados para crianças, vez que as histórias eram destinadas à elas. Durante as décadas, essas histórias foram sendo modificadas, chegando aos (quase) inocentes clássicos da Disney. Mas assim como é interessante deixar os contos mais leves para crianças, deixá-los mais dark é um atrativo pra o público mais velho. Após vários livros e filmes explorando o assunto envolvendo desaparecimentos e assassinatos, a NBC Universal lança uma série que mistura elementos procedurais com a mitologia envolvida tanto na história dos próprios autores quanto em seus contos.

Diferente da série da ABC também com o mesmo tema de fantasia (Once Upon a Time), a premissa de Grimm é que todas as criaturas dos contos de fadas realmente existem, mas se escondem por trás de uma máscara humana. Há um grupo de caçadores, denominados Grimm, que lutam contra as forças do mal desses seres e que estão praticamente extintos. O protagonista da série é Nick, um detetive que após começar a enxergar monstros no lugar de pessoas, descobre ser descendente do grupo. De tal maneira, a série coloca em seu piloto a história da Chapeuzinho Vermelho como um caso para os policiais envolvendo um “lobo mau” serial killer.

Com esse clima obscuro, a série mostra-se promissora. O lado fantástico do episódio pode não ser tão apreciado devido às informações que são passadas para o telespectador, mas é o suficiente para entreter e criar expectativas. A sub-trama do piloto é bem desenvolvida, e nos faz pensar em que outras histórias infantis serão transformadas em casos policiais. O protagonista não possui nenhuma característica que o faça ser lembrado, fazendo com que sua tia (Kate Burton, de Grey’s Anatomy) seja bem mais intrigante. No entanto, é necessário considerar que Nick não possuia nada de chamativo até descobrir sobre o passado da sua família, então é bem provável que seu personagem ficará mais interessante ao passar dos episódios. Os efeitos especiais podem não ser obras primas, mas não causam uma quebra na trama fazendo o público notar mais as próteses ruins do que a história.

O elenco conta com Silas Weir Mitchell (24 HorasPrison Break) e Sasha Roiz (Caprica,Warehouse 13), além de roteiros e produção de veteranos das séries Buffy, a Caça-Vampiros eAngel. Com dois programas sobre contos de fadas no ar, fica a dúvida de qual chamará mais atenção do público: o mais fantasioso ou o mais sombrio.

Anúncios

As Estreias de Hart of Dixie, A Gifted Man e Prime Suspect

27/09/2010

Com as terríveis comédias e os dramas mal desenvolvidos, o Fall Season não está se revelando nada feliz em suas novas estreias. Nesse contexto, é um alívio que o novo drama médico Hart of Dixie tenha feito valer seus minutos iniciais mais do que Charlie’s Angels e companhia. A série narra a história de Zoe Hart, uma talentosa médica que deseja se tornar cirurgiã cardíaca. Quando seus planos não dão certo por conta da sua falta de sensibilidade, ela muda de Nova Iorque para uma pequena cidade no Alabama. A identificação com Zoe ocorre rapidamente, uma vez que o conhecido rosto de Rachel Bilson (The O.C.) é colocado em evidência. Bilson praticamente reprisa o papel de Summer Roberts, com uma personagem esnobe e fria, mas que ao poucos mostra que tem um bom coração. Embora a atriz não venda exatamente a imagem de uma médica profissional, ela conduz muito bem o drama e a comédia da história, junto com o simpático elenco que conta com Scott Porter (Friday Night Lights) e Cress Williams (Prison Break). Mesmo que o episódio inicie com o roteiro um tanto preguiçoso, com a protagonista dentro de um ónibus contemplando a paisagem e narrando sua trajetória com a ajuda de flashbacks, a trama consegue ficar interessante e ter reviravoltas que prendem o telespectador, o que, em se tratando de CW, é uma boa surpresa.

Já a CBS aposta não só em outro drama médico, mas sim em um com forte apelo sobrenatural. Em A Gifted Man, temos Patrick Wilson interpretando um médico renomado e já estabelecido. Ele é focado e altamente racional, mas sua lógica é rompida quando começa a ver o espírito de sua ex-esposa falecida. Wilson consegue passar muito bem a frieza necessária do personagem e é convincente na trajetória de um homem que pensa possuir um tumor no cérebro, mas que mais tarde começa a aceitar que realmente está sendo “visitando”. O elenco também conta com duas ótimas atrizes de Dexter: Julie Benz (que fazia a Rita) e Margo Martindale (que ganhou o Emmy recentemente pela participação em Justified). São justamente as duas que fortalecem a trama sentimental bem escrita da série, o que não é surpresa vindo da roteirista de filmes como Erin Brockovich28 Dias e Pegar e Largar. O problema, por enquanto, é falta de identidade da atração, que termina a história sem trazer nenhum momento realmente memorável e com umcliffhanger muito fraco. A Gifted Man até tem potencial, mas fica evidente que será necessário criar um ritmo próprio e uma identidade própria rapidamente.

Das séries médicas para uma policial, Maria Bello estreia na temporada como a detetive Jane Timoney, protagonista de Prime Suspect. A série, teoricamente é um remake da produção homônima britânica estrelada por Helen Mirren. Digo teoricamente porque elas possuem pouco em comum, deixando apenas pequenos aspectos, como a história base da personagem, parecidos. Provavelmente por possuir essa influência britânica, a série é mais morbida e brutal quando comparada a outros procedurals. Essa brutalidade estende-se tanto para diálogos (como quando uma criança fala que mataria o homem que assassinou sua mãe e Jane diz que o ajudaria) quanto para o físico (o realismo é grande quando Jane é atacada e leva vários socos no rosto). A protagonista não é nada glamurosa, fazendo com que a personagem de Mariska Hargitay em Law & Order: SVU se pareça com uma das garotas de Sex and the City. E mesmo contando com nomes como Kirk Acevedo (Fringe) e Aidan Quinn (Weeds), o elenco secundário não possui grande destaque, podendo causar certa confusão entre um personagem e outro. Assim, fica claro que o destino de Prime Suspect dependerá da resposta do público americano para uma série policial que tem uma realidade mais crua (lembrando que Southland, que seguia linha similar, foi cancelada no mesmo canal para só então retornar na TV paga).

Infelizmente, ainda não tivemos nenhuma estreia que fosse realmente fantástica, tirando a interessante Persons of Interest. Nesse panorama, vale a pena dar uma chance para as três séries que, mesmo com seus problemas, parecem ter potencial para render boas temporadas.


Novos Pilotos da NBC

19/02/2010

Dramas

The Event (Nick Wauters) Suspence sobre um homem comum que é envolvido em uma grande conspiração.

Chase (Jennifer Johnson, Jerry Bruckheimer, Jonathan Littman). Série de ação que segue os U.S. Marshalls enquanto eles perseguem os criminosos mais perigosos.

Undercovers (JJ Abrams, Josh Reims). Um casal aposentado é reintegrado na CIA.

Love Bites (Cindy Chupack). Uma comédia romântica.

Rockford Files (David Shore). Remake do seriado dos anos 70.

Prime Suspect (Hank Steinberg). Restauração da série de mesmo título da BBC a qual segue uma detetive.

Kindreds (Dave E. Kelley). Série sobre um ex-advogado e seus associados que se juntam para formar um diferente escritório de advocacia.

Untitled John Eisendrath project. Um ex-magistrado tenta mudar a lei.

The Cape (Tom Wheeler). Antigo policial que foi falsamente acusado resolve vestir um uniforme de super-herói para limpar seu nome.

Comédias

Untitled Adam Carolla Project (Jon Pollack, Kevin Hench, Adam Carolla, Jimmy Kimmel). Carolla é um empreiteiro que tenta reconstruir sua vida após o divórcio.

Perfect Couples (Scott Silveri, Jon Pollack). Comédia romântica que conta a história de três diferentes casais em vários estágios de êxtase total.

Outsourced (Robert Borden, Ken Kwapis). Um funcionário da empresa de novidades se muda para a Índia para gerenciar um grupo de representantes do cliente.

Friends with Benefits (Scott Neustadtler, Michael H. Weber). Cinco amigos procuram por seus pares perfeitos, mas temporariamente se satisfazem com seus amigos com benefícios.

The Strip (Tom Lennon, Ben Garant). Ex-famoso artista mirim possui um bar fora de Las Vegas.

This Little Piggy (Stephen Cragg, Brian Bradley). Pai de dois filhos abre a casa para sua irresponsável irmã e seu superficial irmão.

The Pink House (Rick Wiener, Kenny Schwartz). Universitários graduados fogem de Los Angeles para começar a vida em outro lugar.

Beach Lane (Paul Simms). Matthew Broderick é um famoso escritor contratado por Richie Rich para dirigir um jornal de uma pequena cidade nos Hamptons.

Nathan vs. Nurture (Moses Port, David Guarascio). Após vários anos de sua adoção, um cirurgião cardíaco se reuni com seu pai biológico e irmãos.

Fonte: EW