Serial Cookies virou site!

21/11/2012

Depois de dois anos com o blog, o Serial Cookies virou um menino site de verdade! Agora todas as atualizações estão acontecendo no www.serialcookies.com.br. Aproveite para ficar por dentro das novidades do site me seguindo no Twitter e curtindo a página no Facebook.

Allons-y!

Anúncios

Haven: Uma Questão de Identidade

20/09/2012

A 3ª temporada da série baseada no livro The Colorado Kid estreia nessa sexta-feira nos EUA, e com ela, a promessa de responder muitas perguntas. Se você acompanha Haven, sabe que não é apenas a cidade que esconde segredos, mas também a protagonista. Quem é a verdadeira pessoa que ajuda os cidadãos com suas aflições? Audrey Parker? Lucy Ripley? Sarah? O que faz um indivíduo ser ele mesmo? Seu corpo, sua psique, suas memórias ou algo mais profundo?

Foi lendo sobre Doctor Who que me deparei com um capítulo muito interessante do livro Doctor Who and Philosophy, em que é feito um ensaio com vários artigos debatendo sobre a personalidade do Doutor – o que faz ele ser o Doutor regeneração após regeneração. Embora os textos sejam sobre várias pessoas como apenas um indivíduo, as informações apresentadas são o suficiente para debater outro assunto: uma pessoa como vários indivíduos. Na 2ª temporada de Haven, Audrey descobriu ter as memórias de uma agente do FBI (além de outras duas pessoas antes disso), fazendo-a se perguntar quem realmente é ela. Podemos trilhar pelo senso comum e dizer que a identidade se dá pela forma física. Afinal de contas, não é assim que você reconhece seus amigos na rua? Dessa forma, a personagem de Emily Rose não seria Audrey, Lucy ou Sarah. Caso encerrado. Mas se fosse assim, se a “verdadeira” Audrey Parker fizesse mechas, engordasse alguns kg e fizesse uma plástica no nariz, ela também não seria mais Audrey Parker. Isso também significaria que gêmeos seriam a mesma pessoa e que, se alguém na cidade pudesse se transformar em qualquer pessoa, ele deixaria de ser ele e seria a pessoa em questão. Obviamente, ter o mesmo corpo não é a solução.

Vamos deixar a parte física de lado. De acordo com o filósofo Derek Parfit, a identidade se dá pela conectividade psicológica, pela sua  continuidade. Na sua visão, um indivíduo existe como um clube ou um título – não é seu corpo que o define, mas um conjunto de ideias (por exemplo um presidente. O Brasil já teve 36 pessoas exercendo essa função, mas todos eles dão lugar a uma linha contínua que é “o presidente”). Considerando a sua teoria, se Simon Crocker tivesse matado a Lucy Ripley “original” enquanto Audrey estava com as suas memórias, Lucy continuaria viva por meio daquela que sobreviveu. Mas coloque-se no lugar dela. Imagine que você se encontra com uma pessoa que é psicologicamente igual a você. Um estranho chega no local e diz que vai te matar. Você fica tranquilo sabendo que a outra pessoa vai sobreviver? Não, você fica desesperado porque sabe que, embora a outra pessoa possua suas ideias, você vai morrer. Então a solução também não é a continuidade. Quem sabe a resposta seja de fato as memórias. John Locke descreve no Ensaio Sobre o Entendimento Humano uma teoria que leva em consideração tal critério. Basicamente, se você lembra, você é. Nesse ponto de vista, a protagonista genuinamente é Audrey Parker, e antes disso realmente foi Lucy e Sarah. Mas há um problema com essa teoria. Vamos dividir a vida de uma pessoa em três partes: sua infância, sua vida adulta e seus anos como alguém idoso. Até sua vida adulta, essa pessoa lembra de sua infância, fazendo com que sejam a mesma pessoa. No entanto, ao envelhecer, ela pode esquecer dos seus primeiros anos de vida. Isso significa que a pessoa idosa não é a mesma quando era criança? E nos casos de amnésia? Ao perder sua memória a pessoa perde sua identidade? Isso nos leva a considerar que haja um fator a mais. Um fator que chamamos de alma.

A teoria Junguiana afirma que ninguém nasce tabula rasa. Se fosse assim, todos os bebês se comportariam da mesma maneira. Eles podem agir num mesmo padrão, mas as sutis diferenças seriam relacionadas com algo que já veio com eles. Platão e Descartes defendiam a ideia da alma: algo imaterial responsável por suas decisões, credos e personalidade. O problema teórico da alma é o cérebro. Os cientistas já estudaram vastamente esse órgão, e até mapearam suas áreas. Dependendo a parte do cérebro afetada por uma doença ou um acidente, sua forma de ver o mundo ou tomar decisões é alterada (como o caso de Phineas Gage). Se a alma é responsável por essas coisas, então por que uma personalidade pode ser totalmente alterada por um cérebro danificado? Após passar por tantas teorias e considerar tantos ângulos, fica claro que identidade é algo subjetivo. Talvez a melhor maneira de ver essa questão é comparando a vida de uma pessoa com um seriado de TV. Haven é formado por vários episódios com características semelhantes. Ele  não é apenas o 1×07 ou o 2×03, mas o aglomerado de todas as histórias juntas. Essa pode ser a teoria que mais faz sentido. Nós não somos alguns eventos definidos, mas um aglomerado de situações.

Com a estreia da 3ª temporada, duvido que esses pontos sejam debatidos na série. Nós não sabemos direito como a aflição de Audrey funciona. É possível que entre essas memórias emprestadas, o verdadeiro self da personagem apareça, quem sabe até lembrando de suas “falsas” memórias. Mas independente das respostas dadas, acho que debates como esse são a graça das séries sci-fi. As histórias criadas podem não acontecer de verdade, mas fazem com que você reflita sobre a realidade. Podemos não ter chegado numa conclusão exata sobre identidade, mas acho que estamos no caminho certo sobre nosso lugar no mundo. Afinal de contas, “Penso, logo existo”.


O reboot de Blake’s 7 será tão bom quanto o de Battlestar Galactica?

22/08/2012

No final de 2003, o Syfy demonstrou uma grande proeza: transformou uma série trash dos anos 70 em um dos melhores seriados de todos os tempos (Sim, estamos falando de Battlestar Galactica). Seguindo o mesmo caminho, o estúdio pretende revitalizar Blake’s 7, outra série trash da mesma época que trata sobre um grupo de rebeldes e criminosos lutando contra uma federação galáctica totalitária. Mas enquanto BSG original era uma história consideravelmente alegre comparando ao universo de Ronald D. Moore, a história original dessa nova saga já é bastante sombria.

Para começar, o seriado é britânico e seu criador, Terry Nation, é quem inventou os Daleks de Doctor Who. Se isso não o convence do aspecto dark da trama, talvez esses fatos fechem a questão: 1) O protagonista sofre lavagem cerebral para trair todos seus amigos e pensar que é um pedófilo. 2) Seu companheiro de viagem é um gênio de computador que não se importa em sacrificar a vida de todos em troca do ganho pessoal. 3) Os “mocinhos” matam sem hesitar. 4) Blake está disposto a deixar toda a galáxia morrendo de fome e no caos para poder mudar o governo.

Esses não são exatamente o tipo de heróis que vemos por aí. O Syfy encomendou o episódio piloto para o produtor Joe Pokaski (Heroes), e Martin Campbell (Casino Royale, Lanterna Verde) deve dirigir se o roteiro for aprovado. O canal já concordou que se o piloto for gravado, os outros 12 episódios da primeira temporada também serão produzidos. Warehouse 13 e Alphas são séries divertidas que estão fazendo sucesso na emissora, mas estava na hora de termos novamente um programa com uma trama densa e controversa.


Terry Gilliam volta ao gênero sci-fi depois de 18 anos

13/08/2012

Conhecido como o visionário diretor de Brazil (1985) e 12 Macacos (1995), Terry Gilliam dedicou a maior parte das duas últimas décadas para filmes de fantasia, como Os Irmãos Grimm e O Mundo Imaginário do Dr. Parnassus. Agora, ele retorna para o sci-fi com o filme The Zero Theorem, que já tem Christoph Waltz (Bastardos Inglórios) como protagonista. Com psiquiatras virtuais, clones e uniformes que possibilitam viagens para dentro da alma, confira a sinopse do longa:

Vivendo num mundo corporativo no estilo de George Orwell, em que “homens-câmera” servem como os olhos de uma figura sombria conhecida apenas como Direção, Qohen Leth (Waltz) trabalha na solução de um estranho teorema enquanto vive como um monge virtual fechado em sua casa (uma capela danificada num incêndio). Seu isolamento é interrompido por Bob, que cria uma roupa capaz de levar Leth para dentro de si mesmo numa realidade virtual. Ele irá se deparar com dimensões escondidas e a verdade de sua alma, na qual estão as respostas que ele e a Direção estão atrás. A roupa e a tecnologia de suporte irá criar um inventário da alma de Qohen, provando ou não o Teorema Zero.

Tipo, oi? Esse parece ser daqueles filmes que têm tudo para dar errado, mas é bem provável que funcione nas mãos de Gilliam. O projeto existe desde 2009, e deverá começar a ser rodado em outubro. Isso se as gravações não sejam canceladas como aconteceu com The Man Who Killed Don Quixote. Rezemos.


Filme: Cowboys & Aliens

24/09/2011

Quando ouve-se falar de um filme envolvendo cowboys e aliens na mesma trama, com roteiro de Damon Lindelof (LOST), Alex Kurtzman e Roberto Orci (Fringe), Mark Fergus e Hawk Ostby (Iron Man), e com Daniel Craig, Harrison Ford e Olivia Wilde (House) no elenco, é de se ficar, no mínimo, animado. Infelizmente, a expectativa supera a realidade quando temos um filme consideravelmente cansativo e personagens com pouco carisma. Cowboys & Aliens, que estreia hoje nos cinemas brasileiros, conta a história de um homem que acorda ferido no meio do deserto, sem memória e com um bracelete de metal preso em seu pulso. Ele chega até a pequena cidade de Absolution, onde cohece um grupo de pessoas com as quais seguirá viagem, interrompida bruscamente por um ataque alienígena. O filme é divertido, mas não passa disso. Seguindo as características de um western, a trama segue uma estrutura básica, em que a viagem toma a maior parte da trama, com um número reduzido de diálogos. Isso faz com que a produção mantenha um ritmo lento, salvo quando há lutas contra os alienígenas.

Tal monotonia não é o que se esperava quando se tem James Bond e Indiana Jones em cena, mas é explicável pelo estilo adotado pelo diretor Jon Favreu (aqui menos competente do que no ótimo Homem de Ferro). O verdadeiro revés do longa é a clara falta do fenômeno da identificação do público com seus personagens. Craig faz o tão conhecido pistoleiro solitário misterioso, mas assim como acontece com o seu James Bond e outros papéis, ele não passa a emoção necessária para que a audiência realmente crie um laço com ele. Seu interesse é voltado para Ella, uma mulher que esconde um segredo. Wilde fica então presa a uma personagem que poderia ser melhor desenvolvida e que acaba sendo apenas um rosto bonito na tela. O casal tem seus momentos, mas no geral saímos com aquela sensação de que falta algo. Quem praticamente salva o filme é Ford, ator talentoso que convence na interessante transição de vilão western para mocinho sci-fi. O elenco secundário é bem formado, com destaque para Sam Rockwell, que interpreta o dono de um saloon.

O ponto alto de Cowboys & Aliens fica com sua fantástica fotografia, que consegue retratar de maneira bela a mistura entre o antigo do suposto deserto do Arizona com a tecnologia de seres de outro planeta. Os aliens em si não são algo surpreendentes, com o visual pouco inventido parecido com as criaturas de um filme de J.J. Abrams. O interessante mesmo são as naves, que por mais futurísticas que sejam, capturam os humanos com laços. Um detalhe que faz diferença. Cowboys & Aliens não é um filme ruim, mas não atende as exigências que se esperaria de uma produção com tantos nomes de peso envolvidos, embora, como sempre aponta o crítico Pablo Villaça, um roteiro tratado a 10 mãos tem grandes chances de não ser dos melhores, servindo apenas como um passatempo para aqueles que gostam do cult e do high tech.


Outcasts – 1×01: Episode 1

14/02/2011

Após uma guerra nuclear, o planeta Terra se tornou um lugar praticamente inabitável. Os humanos encontraram um novo planeta para colonizar, e todas as intrigas e corrupções irão fazer todos se sentirem em casa. Original? Não, mas é interessante. E lembra Battlestar Galactica….

Spoiler Alert!

A série começa sem um monólogo de introdução. Uma decisão ousada, já que se o telespectador não prestar atenção, a história não fará sentido logo nos primeiros 15 minutos. Somos então apresentados a Carpathia (o planeta), Forthaven (a primeira instalação humana), o serviço PAS (Protection and Security), a nave que está tentando entrar na atmosfera do planeta e ao ótimo elenco que leva a trama.

Se a premissa de poucos humanos sobreviventes procurando por uma nova casa e todo o ambiente da série em geral não fossem o suficiente para lembrar Battlestar Galactica, o próprio Apollo (Jamie Bamber) faz isso para você. Bamber interpreta Michell, um explorador que não concorda com a política do PAS. No elenco também se encontram Amy Manson (Alice Guppy, de Torchwood) e Eric Mabius (Ugly Betty, Resident Evil).

A série é gravada na África do Sul, deixando o local verossímil ao proposto. Os efeitos especiais, que são essenciais nesse tipo de programa, não deixam a desejar, como é possível perceber logo na primeira cena com uma nave se aproximando de Carpathia.

No final do episódio, fica aquela coisa de “as coisas não são o que parecem”, além de várias perguntas secundárias. Como cliffhanger, temos a chegada de mais humanos no planeta; e um indivíduo específico que promete abalar o sistema de Forthaven. Pra mim, foi o suficiente para ficar com vontade de ver o próximo episódio.

A série não é totalmente sci-fi, uma vez que a trama principal está na relação entre as personagens no planeta, e não no espaço. Por isso, aqueles que não gostam de guerras interestelares podem dar uma chance a produção. Assim como a maioria das séries da BBC, a temporada é curta, com apenas 8 episódios. Dessa maneira, vale a pena assistir Outcasts, pois não tem como ficar muito enrolado. Sem contar que o menininho da história não é tosco. Sempre um ponto positivo.

Texto também disponível no Série Maníacos